Toda verminose precisa ser tratada porque traz riscos para saúde do pet, mas algumas são causadoras de zoonoses. Isso significa que prejudicam o organismo humano pela intensa aproximação que nós temos com os nossos bichinhos de estimação, por isso, essas doenças exigem ainda mais cuidado. É o que acontece no caso da infestação por Ancylostoma Caninum.

Esse parasita é muito comum, apesar do seu nome tão complicado, e pode contaminar tanto os animais que vivem na rua como aqueles que recebem os melhores cuidados dos pet lovers. É por isso que se faz necessário realizar a prevenção constante.

Preparamos este artigo para explicar mais detalhes sobre essa verminose a fim de que você saiba como cuidar bem do seu pet e também da sua saúde e sua família. Continue lendo e veja como não é difícil controlar esse parasita.

O que é Ancylostoma Caninum?

O Ancylostoma Caninum é classificado como um parasita nematoide. Tem um corpo cilíndrico e alongado, alcançando cerca de 11 a 23 mm, quando em fase adulta. Ele é causador da ancilostomose animal, mas os seres humanos também podem contraí-lo. Nesse caso a zoonose é provocada pela larva migrans cutânea, que também é chamada de bicho geográfico.

Esse parasita se alimenta de sangue e é encontrado principalmente no intestino delgado dos animais. O verme é muito comum na América Latina e na África, afetando tanto os animais filhotes como os adultos.

Por ser muito pequeno, é difícil identificar a infestação nos cachorros, principalmente porque não conseguimos visualizá-lo nas fezes. Muitas vezes é preciso que o veterinário solicite exames complementares para fazer um diagnóstico mais preciso.

Como essa doença é transmitida?

Essa verminose requer muita atenção porque é possível que os filhotes já nasçam infectados pelo verme, já que a transmissão pode ocorrer da cadela para eles por meio da placenta ou do leite contaminado.

No entanto, essa não é a única forma de contaminação por essa verminose. Ela pode acontecer também quando o animal ou o ser humano tem contato com áreas onde estão as larvas, como gramados, terra úmida e outros tipos de solo, além do contato direto com as fezes do cachorro doente.

Por isso, o Ancylostoma Caninum é um parasita tão comum, já que o seu ciclo é muito rápido e a forma de contaminação pode acontecer de diversas maneiras. No caso dos seres humanos, é mais comum que a infestação aconteça ao caminhar descalço em áreas contaminadas.

Quais sintomas ela provoca?

Os cães manifestam uma hemorragia grave ou crônica na fase em que o parasita desenvolve a cápsula bucal. Animais na fase adulta desenvolvem mais comumente anemias brandas, porque seu sistema imunológico consegue responder melhor à infecção.

Nos casos em que a doença é recidiva, ou seja, o animal desenvolve o quadro mais uma vez, podem ocorrer reações cutâneas. Contudo, se o problema for agudo, são percebidos sintomas como:

  • dificuldades respiratórias; 
  • cansaço; 
  • perda de peso; 
  • alterações no apetite;  
  • vômito; 
  • diarreia
  • queda de pelos.

O animal também pode desenvolver bronquite ou úlceras intestinais devido à ação do parasita em seu organismo, quando na fase adulta. Se não tratada, essa verminose pode levar o pet a óbito. Porém, no caso dos seres humanos, ela é menos agressiva, atingindo apenas a pele, sem prejudicar os órgãos internos.

 

Como prevenir a Ancylostoma Caninum?

É muito difícil impedir que o animal tenha contato com o Ancylostoma Caninum, já que ele pode sobreviver durante muito tempo fora do organismo hospedeiro e não há como sabermos onde o parasita pode estar. Sendo assim, o ideal é fazer a prevenção desse problema por meio da administração dos vermífugos de amplo espectro.

Essa medida faz tanto a prevenção da doença como também o seu tratamento, porque elimina o parasita. Isso faz com que o pet lover precise oferecer ao cachorro no mínimo 3 doses de vermífugo Vermivet por ano.

As doses são divididas ao longo das estações — verão, que vai de Janeiro a Abril, a aplicação de inverno, nos meses de Maio a Agosto e a da primavera, com duração de Setembro a Dezembro.

É importante não pular as doses para assegurar a eficácia do vermífugo. Desse modo, se o animal tiver contraído o parasita, ele será tratado e o ciclo interrompido. Contudo, não se esqueça da necessidade de manter o ambiente sempre muito limpo para evitar o contato do seu amigo peludo e dos seres humanos com as fezes.

Evite, também, que o animal coma algo na rua, e não ofereça alimentos para ele no solo a fim de evitar que aconteça a ingestão de larvas ou ovos. E para que você mesmo não contraia esse o Ancylostoma Caninum, evite caminhar descalços em áreas possivelmente contaminadas por esse parasita

Em caso de dúvidas ou se o pet estiver manifestando sintomas, consulte um veterinário para que ele possa fazer exames mais aprofundados em seu animal. Não deixe que o quadro evolua, porque o ciclo do parasita, como dito, é muito rápido.

Lembre-se de que é fundamental fazer o tratamento corretamente e a devida prevenção aplicando as doses de vermífugo no tempo certo, afinal, o Ancylostoma Caninum pode levar o cachorro a óbito. Acompanhe também o Portal da Linha Vermivet para estar sempre atento aos cuidados necessários com o seu pet, assim ele terá muito mais saúde e sua família também.

Saiba mais sobre a vermifugação do seu pet. Entre em contato conosco para conversar com um dos nossos especialistas e obter maiores informações sobre o vermífugo ideal.