Eles são, simplesmente, mais que especiais.

Você já pensou em ter um pet com alguma deficiência? Pois é! Uma resposta positiva é que a adoção de cães e gatinhos nesse estado já possui um número bastante expressivo. Não podemos nos esquecer de que o próprio peludo que temos em casa e que cuidamos com tanto amor pode, a qualquer momento e por vários motivos, ser portador de alguma deficiência. Como lidar com a situação? Com muita atenção e cuidado, só isso! Afinal, as necessidades são pequenas perto da alegria que eles nos dão.

As principais deficiências são as físicas, como os casos em que o animal precisa amputar algum membro do corpo, seja por lesões e traumatismos que o faz perder os movimentos. As mais comuns são as deficiências visuais e auditivas, porém, fáceis de adaptação do pet. Os casos mais difíceis são as deficiências mentais que o leva a comportamentos agressivos, dificultando a convivência com outros animais e com as pessoas. Quando o problema não está relacionado a distúrbios neurológicos ou à existência de tumores cranianos, mas sim por maus tratos sofridos por exemplo, a solução está na socialização do pet, principalmente com demonstrações de carinho, aprendendo, assim, que a vida é amor e alegria.

Receber um pet em casa que carrega essas dificuldades é muito simples. Antes de tudo é muito importante o querer e a adaptação da família. De nada adianta serem simples os cuidados se não existir disposição! Por exemplo, um cãozinho ou gatinho paraplégico pode precisar de uma massagem abdominal para conseguir fazer o xixi. O ambiente também tem que estar adequado. Evite obstáculos, escadas ou alterar muito as coisas de lugar, assim ele pode se locomover com maior facilidade, segurança e tranquilidade. Aos poucos tudo vai se tornando super natural.

Tire o preconceito do peito! Cuide de seu pet especial. Com muita atenção e carinho, eles vivem super bem, se adequam à nova realidade e, o mais importante, nos ensinam ser ainda muito mais humanos.