Uma oportunidade de estarem todos juntos!

Uma oportunidade de estarem todos juntos, sob as mesmas condições, sob os mesmo direitos e sob a mesma segurança. É isso que os cães guias proporcionam aos seus acompanhantes detentores de alguma deficiência visual. Essas pessoas, graças a eles, conseguem se adequar ao meio social e a terem maior liberdade para ir e vir dos lugares que desejam.

Pelo trabalho lindo que fazem e, claro, necessário, esses cães costumam ser aceitos em locais públicos. Para tanto, precisam de profissionais especializados que detectem suas habilidades e promovam seu treinamento. Fácil aprendizado, concentração, boa memória, inteligência e boa saúde são as qualidades essenciais que os instrutores procuram em seus alunos. Os filhotes já devem ser criados para essa finalidade e, após, combinados com os seus acompanhantes. Quando em atuação, o cão deve manter-se sempre à esquerda e um pouco à frente de seu acompanhante, mover-se apenas quando ordenado, ajudar o acompanhante com os transportes públicos, obstáculos, outras pessoas e outros animais.

As raças mais comuns são Labrador, Golden Retriever e Postar Alemão, afinal, assemelham-se quanto à força, inteligência, afabilidade e adaptabilidade, ideais para desempenharem o trabalho. Porém, apesar dessas qualidades, é imprescindível que entre o animal e o acompanhante haja um período inicial de adaptação, confirmando a compatibilidade de ambos. Por exemplo, um peludo mais agitado costuma auxiliar pessoas mais jovens. =)

Não podemos esquecer de que esse convívio, diário e duradouro, deve ser protegido, mantendo a saúde e os cuidados do pet, evitando as doenças e zoonoses. Vermifugar? Sempre!

Infelizmente, o cão guia, em certa idade, não pode mais desempenhar sua função. O profissional deve avaliar e decidir o momento certo em que ele deve ser aposentado. Adotar ou buscar lares aos antigos companheiros é a melhor retribuição e demonstração de gratidão e carinho que eles podem ter. Pense nisso!