Vermifugação: Uma dosagem de cuidado

É claro que os nossos pets não iam escapar de algumas receitinhas e crenças para o combate às verminoses: uso de ervas, alhos, sementes de abóbora. As pessoas que defendem o uso exclusivo desses medicamentos caseiros alegam que os vermífugos comercializados são tóxicos, cuja química não faz bem aos animais. Será que de fato estamos dando um veneno aos nossos cães e gatos?

Existem algumas recomendações que realmente fazem efeito. O primeiro passo é deixar o ambiente sempre limpo, eliminando todos e quaisquer vestígios de vermes para que a recuperação do pet, quando infectado, seja mais rápida. Ademais, a fé sempre é valida, porém, levá-lo ao médico veterinário quando diante da suspeita de verminoses e/ou para sua prevenção, não deve ser uma opção, mas uma obrigatoriedade para aqueles que querem cuidar com responsabilidade do seu animal. Afinal, vermes só são tratados com remédios. Consciência sempre tranquila, certo?

As verminoses intestinais combatidas pelos vermífugos para cães e gatos são a ascaridíase, a ancilostomose e os cestoides. A primeira, mais conhecida como lombriga, tem alguns centímetros de comprimento e pode ser vista nas fezes ou vômito do animal infectado. Muitas vezes, ela é a causa do emagrecimento repentino, intenso e sem sentido do pet. O ancilostoma já é pequeno, dificilmente visto a olho nu. É contraída pela ingestão de água e comida contaminadas, por isso a necessidade de cuidados diários com tudo que se refira à alimentação. O verme come as mucosas da parede intestinal do bichinho, causando hemorragia, além de anemia, diarreia, fraqueza e fezes escuras. Por fim, o cestoide é a doença causada pelas pulgas, que podem transmitir vermes, os quais saem nas fezes e se locomovem, o que facilita a análise da contaminação. Os pets ficam irritados, com mal-estar, apetite oscilante, pequenas cólicas ou diarreias e podendo ter ataques epiléticos.

Assim, a melhor maneira de diagnosticar os vermes nos animais de estimação é através de análises clínicas e exame de fezes. Os ovos podem não estar sempre presente nas fezes, mesmo quando o animal está infectado. Por este motivo, vermifugação regular deve ser realizada mesmo que não haja evidências da presença dos vermes. O tratamento deve ser constante, com maior ou menor dosagem e espaçamento de tempo dependendo da idade do peludo. Nós, do Laboratório Biovet, recomendamos que o seu animal seja vermifugado no mínimo três vezes ao ano e, caso queria ficar por dentro dos períodos de vermifugação, basta acessar a nossa ferramenta que lembra você quando o dia de vermifugar o seu pet chegar. Afinal, nunca se esqueça, Paixão pede Proteção.