Nós amamos pets. Por isso, é inevitável que queiramos nossos amigos de quatro patas sempre bem perto — na hora de dormir, no colo para fazer carinho e até nas lambidas de amor que eles nos dão!

Mas, para aproveitar todo o carinho e companheirismo dos pets, é muito importante estar atento à saúde deles. Afinal, existem algumas doenças transmitidas por animais domésticos, as chamadas zoonoses.

A boa notícia é que é possível evitá-las — além de garantir o tratamento adequado ao bichinho, em caso de diagnóstico positivo. No artigo de hoje, vamos conhecer 5 dessas doenças, além de medidas preventivas e de tratamento. Vamos lá, pet lovers? Continue lendo!

Zoonoses: entenda o que são essas doenças

Geralmente, trata-se de doenças infecciosas, cuja transmissão acontece pelo contato com o pelo, saliva, fezes e/ou urina do animalzinho contaminado, ou mesmo pela ingestão de alimentos e água contaminados.

Portanto, para garantir a saúde de todos os membros da família — humanos e bichos de estimação — é fundamental estar atento a alguns cuidados básicos, como:

  • a limpeza do ambiente e do pet em si (garantindo banhos regulares, tosas e aparas das unhas);
  • as consultas regulares ao veterinário;
  • a vermifugação e a carteira de vacinação pet sempre em dia.

Vejamos, a seguir, as 5 principais doenças transmitidas por animais domésticos:

1. Giardíase

Entre as principais verminoses transmitidas por animais domésticos está a giardíase, causada pelo protozoário Giardia spp.

Seu contágio acontece tanto do animal doméstico para o homem quanto vice-versa, e é desencadeado pela ingestão de alimentos ou água contaminada pelos cistos (também conhecidos como ovos) do protozoário. Esses cistos também podem ser encontrados na pelagem dos animais.

Tratamento

O tratamento é longo, pois em muito casos a medicação é incapaz de combater a doença na primeira tentativa. Além disso, o risco de recontaminação é grande. Por isso, é indispensável o diagnóstico preciso — feito a partir de exame de fezes — para que o tratamento seja iniciado o quanto antes.

Prevenção

As medidas de prevenção também são de suma importância para cuidar dos bichinhos. Entre elas, temos:

2. Bicho-geográfico

Também conhecido como Larva migrans cutânea, o bicho-geográfico está presente no intestino de cães e gatos infectados. Nos humanos, causa uma dermatozoonose cujo os principais sintomas são irritação, coceira e um aspecto de contorno de mapa no local da lesão.

Nos animais domésticos, a transmissão acontece de um pet para outro, por via oral, cutânea ou placentária. Já os humanos são infectados pelo contato direto com as larvas, presentes no solo contaminado pelas fezes dos animais doentes, como gramados, quintais e jardins.

Tratamento

Geralmente, a contaminação desaparece espontaneamente do organismo, cerca de quatro a oito semanas após o início da infecção. Em alguns casos, é indicado o uso de medicamentos antiparasitários, ou mesmo de anti-inflamatórios, além do uso de gelo para controlar a coceira.

Prevenção

Além da vermifugação regular, é preciso evitar a ida dos animais à praia e dificultar o seu acesso a tanques de areia em que há a presença de crianças. Já para a família, é importante andar descalço somente em locais cuja higienização é conhecida, tomando o cuidado, logo após, de lavar os pés com água fria.

3. Toxoplasmose

Causada pelo protozoário Toxoplasma gondii, presente nas fezes de gatos contaminados, essa é uma doença infecciosa grave para as gestantes (causando danos irreversíveis ao feto, como microcefalia e alterações oculares) e pessoas com baixa imunidade (levando à morte).

Tratamento

Em pacientes com sistema imunológico competente, a doença regride naturalmente. Já para os imunodeprimidos, o tratamento medicamentoso é indicado, e para as gestantes é preciso um acompanhamento mais próximo durante o pré-natal, para evitar que a doença seja transmitida ao feto.

Prevenção

O principal cuidado para evitar que o bichano contraia o protozoário é não permitir que eles tenham acesso à rua e garantir uma alimentação exclusivamente baseada em ração.

Para os humanos, o ideal é evitar o contato com as fezes dos gatos, ficando sempre atento à higienização após essa manipulação. A higiene deve ser observada, também, no preparo dos alimentos, e deve-se evitar sempre que possível o consumo de carne mal passada.

4. Leishmaniose

A leishmaniose é uma doença de caráter zoonótico que acomete o homem e diversas espécies de animais silvestres e domésticos. Causada por protozoários do gênero leishimania, a doença pode causar danos fatais aos seres humanos, como úlceras na pele e órgãos (nesse caso, é fatal em cerca de 90% dos casos).

Sua transmissão acontece quando o animal é infectado pelo protozoário a partir da picada do mosquito-palha contaminado. Quando o mesmo mosquito pica o homem, este também é infectado pela doença.

Prevenção

Evitar que o animal seja picado pelo mosquito ainda é o tratamento preventivo mais eficaz. Para tanto, usa-se coleiras repelentes, sem cheiro.

5. Raiva

A mais grave de todas as zoonoses listadas até aqui, a raiva é uma infecção viral que ataca o sistema nervoso e pode causar a inflamação do cérebro, levando o indivíduo à morte bem rapidamente. A doença é transmitida ao seres humanos por mordida, lambida ou ferida feita pelo bichinho contaminado.

Até 2016, a OMS considerava controlada a infecção de animais domésticos em várias partes do mundo. A partir dessa data, porém, alguns casos foram registrados no Brasil (mais precisamente na região norte), levantando novamente a bandeira em direção dessa patologia tão severa.

Tratamento

Com um nível de mortalidade próximo de 100%, o tratamento da raiva ainda não é comprovado. Alguns pacientes se curaram pela vacinação preventiva logo que foram expostos ao vírus, outros, por terem sido submetidos a um protocolo cujo objetivo é induzir o coma para tratar a doença, a fim de evitar o óbito.

Prevenção

Nesse caso, manter a carteira de vacinação sempre em dia e evitar que os seus pets tenham contato com animais de rua e silvestres é a melhor maneira de prevenir o contágio da raiva.

A importância da vermifugação

Para evitar as zoonoses, manter seus pets sempre vermifugados é a estratégia mais saudável. É importante que ela seja feita corretamente (três doses anuais: verão, primavera e inverno) e que os medicamentos sejam desenvolvidos por empresas especializadas em pets. Assim, é garantido que seu amigo e toda a sua família estarão protegidos!

Ser um petlover é zelar pela saúde dos pets com muita atenção e cuidado. Por isso, não se descuide! Como vimos, doenças transmitidas por animais domésticos podem ser graves, causando danos irreversíveis a toda a família — nesse caso, a prevenção é sempre o melhor remédio.

Então, gostou do post? Quer saber mais sobre vermifugação e prevenção das zoonoses? Entre em contato conosco! Somos especialistas no desenvolvimento de vermífugos que manterão seus pets mais felizes e saudáveis. Aguardamos o seu contato!